Como calcular a margem de contribuição da sua empresa?

Quando se trata de Margem de contribuição (MC), ponto de equilíbrio e outros indicadores financeiros muitos empreendedores e gestores se assustam, pois consideram um monstro de sete cabeças. Por parecerem tão complicados, muitos acabam não dando atenção devida a esses números que são essenciais

para analisar a saúde da empresa.

 

Além destes índices, o planejamento financeiro, tributário e o acompanhamento da Demonstração do Resultado doExercício (DRE)da sua empresa são fundamentais para tomada de decisões estratégicas que viabilizam a economia do negócio.

 

É com base nestes indicadores que você consegue entender se sua empresa é saudável ou não e como é possível melhorar o andamento dela, além de conseguir avaliar qual é o melhor preço para seu produto ou serviço. Com a precificação correta, você torna o seu negócio mais competitivo e consegue saldar as despesas e ter lucro.  

 

A margem de contribuição não é tão complicada quanto parece ser, e nós da Comece com o Pé Direito vamos te ajudar a entender melhor este indicador e como fazer este cálculo! Vamos lá?

 

Para a especialista fiscal da Comece com o Pé Direito, Bruna Battimanza, o primeiro passo é entender o que se está calculando. "Ter conhecimento do que será preciso de informações. Ter domínio sobre quais dados serão necessários para o cálculo é essencial", comenta Bruna. A especialista ainda ressalta que é bom contar com um parceiro de consultoria contábil para apoiar nestas questões.



Afinal, o que é a margem de contribuição?



É um índice econômico financeiro que representa o quanto de lucro da venda de cada produto contribuirá para cobrir as despesas e custos fixos do negócio e ainda gerar lucro. "A margem de contribuição é todo valor que sobra da receita obtida, depois de retirar os custos variáveis", resume Bruna.  



Também é preciso entender o que são custos fixos e variáveis para poder fazer o cálculo. O custo fixo é aquele que existe todos os meses, independente se a operação está em andamento ou não, ou se a quantidade de vendas teve um aumento. Bruna lembra "que o custo fixo não significa que o valor é fixo, ou seja, não significa que será sempre o mesmo valor. Ele significa que ocorre todo mês e isso independe da quantidade de produtos vendidos ou serviços prestados". Entre os exemplos desse tipo de custo, podemos citar aluguel, condomínio ou salário do pessoal administrativo.

 


Já o custo variável sofre alterações relacionadas à produção e nas vendas. Como por exemplo a matéria-prima, os insumos produtivos e os tributos. Portanto, quanto mais sua empresa vender, maior será o custo variável.

 

Ao calcular a margem de contribuição, você consegue estipular metas de vendas, planejar promoções e verificar se não é necessário negociar ou trocar fornecedores, além de conseguir definir a precificação do seu produto ou serviço, como já havíamos citado no início do texto. Esse indicador também auxilia na análise da possibilidade de investir ou desistir de um determinado produto ou projeto, entre outros benefícios que este tipo de conhecimento pode trazer para o seu negócio.

 

Então, como calcular a margem de contribuição da minha startup?

 

O cálculo da margem de contribuição (MC) é feito a partir do preço de venda (PV), subtraindo os custos e despesas variáveis (CV e DV, respectivamente). A base para calcular é a seguinte fórmula:

 


MC = PV - (CV + DV)

 

Segundo Bruna, este cálculo pode ser feito de forma individual, cálculo por valor de produto/serviço, ou total/capacidade produtiva, multiplicando pela quantidade de produto/serviço vendido.

 

Para ficar mais fácil de entender, vamos pensar no seguinte exemplo: Exemplo 1: sua empresa vende sapatos e o preço de venda do produto é de R$ 100, atrelado a este valor têm: o custo da matéria prima que é de R$ 30, o custo de produção de R$ 20 e mais 10% de valor de impostos sobre as vendas. Todos esses custos são variáveis por mercadoria vendida, portanto é possível fazer o cálculo individual ou multiplicar pela quantidade que se presente vender, conforme a seguinte simulação:

 

Considerando que sua empresa venda 150 pares de sapato.

Receita de Venda = PV (R$100,00) x Quant Vendida (150) = R$ 15.000

Custos: Matéria Prima (R$30,00) + (R$20,00) = R$ 50,00 x Quant (150) = 7.500

Impostos = 1.500

Margem de Contribuição = 6.000 ou IMC 40%

 

O economista e fundador da Gerencial Auditoria e Consultoria, José Luiz Amaral Machado, afirma que, tanto o cálculo quanto o conceito teórico, são os mesmos para qualquer empresa, seja comércio, indústria ou serviço, sendo necessária a adaptação por razão de alguma peculiaridade em relação aos conceitos teóricos de custos. "Precisamos conhecer o conceito de custo e despesa variáveis para descontar do preço de venda e encontrar a margem de contribuição. Por isso, deve ser realizada uma análise bem detalhada para que nenhum custo variável passe despercebido", completa Bruna.


Para ficar ainda mais prático e fácil de aplicar a realidade da sua startup, nós te ajudamos a calcular! Insira abaixo os dados condizentes com a sua empresa, e verifique a margem de contribuição.

  


 

Toda empresa deve saber o quanto é o mínimo aceitável de sua margem de contribuição. Para isso, o empreendedor deve identificar quais são as despesas fixas e o quanto deseja lucrar. "Como demonstra o Exemplo 2: a empresa sabe que tem um custo fixo mensal de R$ 5.000 e deseja ter um lucro de no mínimo R$ 10.000 por mês, portanto a margem de contribuição não pode ser menor do que R$ 15.000. Se o sapato é vendido por 100 reais e a margem de contribuição é 40%, essa empresa deve vender no mínimo 375 pares de sapato ao mês para conseguir atingir o mínimo aceitável, ou deverá aumentar sua margem de contribuição e consequentemente ter a possibilidade de vender menos pares para atingir o mesmo resultado", explica Bruna. Portanto, quanto maior o índice de margem de contribuição, mais dinheiro disponível e maior a probabilidade de ter lucro.

 

A analista fiscal Bruna Battimanza também destaca que a margem de contribuição é apenas um dos índices a ser considerado para a tomada de decisões. "Basear o cálculo dos preços de venda somente com dados da margem de contribuição pode resultar em valores que não cubram todos os gastos necessários para manter as atividades a longo prazo. Um produto ou serviço que gera resultados negativos pode ser estratégico para alavancar as vendas dos demais", explica.

 

Como aumentar a margem de contribuição?

 

José Luiz Amaral Machado destaca que não existe margem de contribuição específica. "Cada caso é um caso, isso vai variar em função da estrutura operacional da organização", explica.

 

Para ampliar a margem de contribuição é necessário aumentar o lucro gerado por cada produto. Para que isso ocorra é preciso diminuir os custos variáveis que estão ligados a cada produto, ou então, considerar o aumento do preço de venda. Machado ressalta que os impostos não devem ser mexidos. "Mas, sim, é possível trabalharmos com mais produtividade em termos dos demais custos variáveis como exemplo citamos insumos ou racionalidade no processo de produção", completa.

 

Bruna, também, lembra que "quando uma empresa aumenta a margem de contribuição dos produtos que vende, está diminuindo os custos e despesas associados a cada produto e aumentando a quantidade de receita que cada produto gera, o aumento pode ser realizado com a troca de matéria prima ou uma negociação com fornecedores, por exemplo".

 

É importante, como vimos, calcular corretamente e fazer um planejamento de custos. Além, claro, de contar com especialistas para auxiliar no sucesso da empresa. Agende uma conversa com um dos nossos especialistas!