Descomplica realiza primeira edição para scale-ups

Porto Alegre foi palco da primeira edição de um evento destinado a auxiliar nos negócios e tirar dúvidas de scale-ups e pequenas e médias empresas. O Gestão Descomplica, ocorreu no dia 19 de março, no TECNOPUC, e contou com especialistas nos setores de contabilidade, branding, captação de recursos e no setor jurídico. Cada um deles contou um pouco de suas experiências e deram dicas e informações para empreendedores, profissionais de gerência e especialistas em tecnologia e inovação.  

 


Entre os assuntos abordados, os desafios financeiros, fiscais e operacionais durante a evolução do negócio sempre são os que criam expectativa nos empreendedores. Eles foram apresentados pelo diretor e criador da Comece com o Pé Direito, Ângelo Mori Machado, que indicou as cincos fases de um negócio. Em todas, é imprescindível o apoio contábil, para mapear e manualizar os processos, planejar orçamentos, controlar fluxos de caixa, planejar simulações fiscais, pensar compliance e tomar decisões com apoio de cenários - ou seja, Business Inteligence (BI).  

 


A primeira fase de uma nova empresa é o período em que a "criatividade e iniciativa" estão mais afloradas. É neste estágio, segundo Ângelo Machado, que são lançados e realizados os testes de viabilidade com o Mínimo Produto Viável (da sigla em inglês, MVP). Este é o momento de mapear todos os processos. Já a segunda etapa é a da "liderança e controle", quando o negócio começa a ganhar estabilidade e é preciso delegar responsabilidades ao time. Neste momento, o empreendedor deve estar atento a contabilidade, ao planejamento orçamentário, projeção de fluxo de caixa e outras questões fiscais.  

 


O próximo passo diz respeito a "delegação e descentralização", dando mais autonomia a equipe. Para Ângelo Machado, a empresa deve contar com a presença de "membros-chave" no time, que são aqueles colaboradores que vestem a camisa da companhia.  No penúltimo período, o de "coordenação e compliance", estão mais evidentes os desafios burocráticos e de conformidade. E por fim, a fase de "colaboração em um ambiente empreendedor", onde a burocracia é simplificada e é gerada a cultura organizacional. Ângelo Machado destaca a importância de se criar um ambiente de colaboração e, por consequência, empreendedor.  

 

Além do criador e diretor da Comece com o Pé Direito, o evento contou com outros palestrantes respeitados.  


O CEO da SofDesign, Osmar Pedrozo, iniciou as atividades do Descomplica  relembrando sua trajetória de empreendedor e contou também de sua experiência na empresa na qual atua no desenvolvimento de softwares e sistemas, criação de aplicativos, concepção e anteprojeto, consultoria e outsourcing, operação de serviço de software. Com o tema "Dicas para evitar furadas tecnológicas no desenvolvimento de produtos digitais", Pedrozo conversou com o público sobre o assunto. Entre os pontos ressaltados pelo CEO, estão a definição dos requisitos funcionais de escalabilidade, escolha da tecnologia adequada à solução, análise da jornada do usuário e o planejamento de estratégias.  

 


Na sequência, o CEO do Silva | Lopes Advogados, Layon Lopes, apontou os desafios jurídicos de uma scale-up, e como escalar sem que os passivos também tenham um crescimento rápido e elevado. Lopes iniciou explicando a importância de um arranjo societário e apresentou quais são as diferenças entre Contrato Sociais, Acordos de Sócios, Stock Options e Cap Table.  

 


O advogado e fundador do escritório ainda destacou que é preciso estar atento a questões tributárias brasileiras. As empresas do setor de tecnologia e inovação, normalmente, são classificadas no imposto ISS, que está relacionado a serviços, segundo Lopes. O tributo está vinculado ao modelo de negócio empresarial, que deve estar bem claro.  

 


O diretor de estratégia da GH Branding, Tiago Denardin, mostrou como uma marca bem trabalhada e explorada colabora de forma significava para o crescimento da empresa. Para Denardin, uma marca não é apenas o design, é como o negócio se apresenta para o mercado e todo o planejamento estratégico realizado para mostrar essa imagem. O diretor acredita que o momento em que uma startup se prepara para se tornar uma scale-up é o ideal para se repensar a empresa. Neste período de mudança, é preciso repensar sobre pontos importantes, como qual a persona da empresa e seu posicionamento em relação ao mercado. Também é necessário avaliar o desempenho, traçando objetivos e mensurando os resultados.  

 


A captação de recursos para escalar o negócio é sempre um assunto que desperta muitas dúvidas nos empreendedores. Para sanar estes questionamentos, o sócio da WINNOVA Startups Development, Guilherme Kudiess, levou ao público do Descomplica dicas de como levantar recursos para scale-up. Kudiess salientou que neste momento da trajetória da empresa é importante continuar buscando investimentos, principalmente do tipo SEED - que é a categoria acima do investidor anjo, variando de R$500 mil a R$10 milhões.  

 


Já o CEO da Syhus Contabilidade, Cristiano Freitas, abordou o tema "A influência do ambiente regulatório e tributário brasileiro na construção de novos negócios". Freitas ressaltou a importância de avaliar os tipos de serviços prestados pela empresa e identificar quais os tipos de regulamentação e tributos incidem sobre eles. Para finalizar a programação do Descomplica e apresentar na prática um exemplo de sucesso, no qual se encaixam todas as questões levantadas pelos especialistas ao longo do evento, Juliano Murlick contou como a Triider conseguiu triunfar.  

 


O cofundador e CEO da plataforma de serviços - que conecta os usuários a profissionais da áreas de elétrica, hidráulica e climatização, pequenos reparos, montagem de móveis, limpeza e fretes - relembrou dos percalços e conquistas que levaram a Triider se tornar uma scale-up. Fundada há três anos, a empresa conta com 13 colaboradores e recebeu investimento inicial para acelerar seu crescimento.  

 


Murlick acredita que o sucesso do negócio está atrelado a diferentes fatores. Entre eles, o desenvolvimento de uma solução para um problema real. O CEO destacou que é preciso avaliar se a persona está interessada na solução, entender o ciclo de vendas e a frequência de utilização do serviço.

 


Gostou dos assuntos abordados e tem interesse em participar de outras edições? O Descomplica, evento que contou com o patrocínio da Comece com o Pé Direito, Syhus, Winnova, SoftDesign, GH Branding e Silva | Lopes Advogados, terá mais edições realizadas pelo Brasil. Para saber mais sobre este evento e ser informado das próximas edições, é só acessar: https://www.gestaodescomplica.com.br/.

 

Veja como foi a primeira edição do Descomplica !