Gestão de benefícios: o que é, como fazer e qual o papel do RH

gestão de benefícios0
Blog > Gestão > Gestão de benefícios: o que é, como fazer e qual o papel do RH

Em um mercado de trabalho cada vez mais escasso e competitivo, a gestão de benefícios é uma ótima ferramenta de atração e retenção de talentos. 

Trata-se de uma estratégia aplicável a negócios de todos os portes, setores e segmentos, com destaque especial para as startups que precisam de mão de obra qualificada.

Mas afinal, como implementar e gerir uma estratégia eficiente de gestão de benefícios?

Quais os principais benefícios (e desafios)?

Nas linhas a seguir, apresentamos o conceito geral de benefícios corporativos, além de dicas valiosas de como implementá-los e geri-los com a ajuda do BPO de RH.

Avance na leitura até o final.

O que é gestão de benefícios?

A gestão de benefícios é um conjunto de práticas e estratégias que visa oferecer vantagens aos colaboradores além do salário base, visando atrair, reter e motivar talentos

Engloba, além dos benefícios obrigatórios, também os benefícios opcionais, como planos de saúde, seguros, participação nos lucros, entre outros. 

Se implementado do jeito certo, um programa de benefícios pode resultar em muito mais produtividade, ao contribuir com a motivação e o engajamento das equipes.

Exemplos de benefícios corporativos

A gestão de benefícios, como vimos, consiste em um conjunto de práticas cujo propósito é oferecer vantagens aos colaboradores. 

Nesse contexto, podemos dividi-los em duas categorias: benefícios obrigatórios e opcionais.

1. Benefícios obrigatórios

Se você tem colaboradores que atuam sob o regime CLT, sabe que existem diversos benefícios garantidos por lei que precisam ser cumpridos. 

Os principais são:

  • Férias remuneradas: todo profissional contratado tem direito a 30 dias consecutivos de férias remuneradas a cada 12 meses de trabalho
  • 13º salário: pagamento ocorre no final de cada ano (ou proporcional ao tempo de serviço por ocasião do desligamento)
  • Vale-transporte: garante o deslocamento dos funcionários, com possibilidade de desconto de 6% no salário do trabalhador
  • Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS): depósito mensal em conta vinculada
  • Adicional noturno: direito concedido aos profissionais que atuam no período compreendido entre 22 horas e 5 horas do dia seguinte.

2. Benefícios opcionais

Além dos benefícios obrigatórios, há também os opcionais que podem ser oferecidos aos colaboradores conforme a política de RH da empresa.

Alguns exemplos incluem:

  • Vale-alimentação e vale-refeição
  • Assistência médica e plano odontológico
  • Auxílio-educação: incentiva o desenvolvimento pessoal e profissional
  • Participação nos lucros e resultados: reconhecimento financeiro pelo esforço em conjunto
  • Academia, sala de jogos, etc: benefícios que promovem o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.

A gestão estratégica desses benefícios contribui para a motivação das equipes, aumento da produtividade e retenção de talentos, tornando-se fundamental ao sucesso das empresas. 

Qual a importância da gestão de benefícios?

A gestão eficiente dos benefícios, tanto os obrigatórios quanto os opcionais, resulta em um ganha-ganha para a empresa e colaboradores.

As principais vantagens são:

Aumento da retenção de talentos

Colaboradores satisfeitos com os benefícios oferecidos tendem a permanecer mais tempo na empresa, reduzindo custos com recrutamento e treinamento de novos profissionais.

Além de custar caro, o turnover tem impactos indiretos na performance do negócio, como nos casos de descontinuidades de projetos em função da saída de talentos-chave.

Melhoria do clima organizacional

Um ambiente de trabalho positivo e que valoriza o bem-estar dos colaboradores contribui com a produtividade, criatividade e engajamento das equipes.

A gestão eficiente de benefícios, principalmente os opcionais, cria um diferencial nesse sentido, valorizando as pessoas e estimulando-as a vestirem a camisa. 

Atração de novos talentos

Uma oferta de benefícios atrativa torna a empresa mais competitiva no mercado de trabalho, facilitando a captação de profissionais qualificados.

No contexto das startups e empresas de inovação, que precisam de profissionais qualificados na área de TI, isso é ainda mais relevante. 

Vale mencionar que, além da escassez de mão de obra qualificada, essas empresas lidam ainda com a concorrência de empresas estrangeiras que contratam brasileiros.

Redução do absenteísmo

O absenteísmo é um indicador de RH que mensura a falta de pontualidade e assiduidade no trabalho, resultado de baixa motivação, estresse, problemas de saúde ou falta de engajamento da equipe.

Colaboradores saudáveis e satisfeitos tendem a ser menos faltosos, diminuindo os custos com licenças médicas e substituições.

Como fazer a gestão de benefícios de uma empresa?

Para implementar uma gestão de benefícios bem sucedida, é fundamental seguir algumas etapas:

1. Definir os objetivos da empresa

O primeiro passo para implementar uma gestão de benefícios assertiva é definir com clareza o que se pretende alcançar com as vantagens. 

Os objetivos podem estar relacionados à atração e retenção de talentos, à melhoria do clima organizacional ou à redução do absenteísmo, por exemplo.

2. Mapear as necessidades dos colaboradores

O passo seguinte é descobrir quais são os anseios e expectativas dos colaboradores por meio de pesquisas de opinião, entrevistas ou grupos focais. 

Assim, o gestor de RH identifica quais benefícios são mais apreciados e cria um portfólio de vantagens sob medida.

3. Analisar o orçamento disponível

A empresa deve definir também quanto está disposta a investir em benefícios, levando em consideração sua capacidade financeira e os objetivos traçados.

Nesse ponto, é importante calcular a relação custo-benefício, mesmo que, em algumas situações, seja difícil precisar os números.

4. Escolher os benefícios a serem oferecidos

Com base nas informações coletadas nas etapas anteriores, a empresa deve escolher os benefícios que melhor atendem às necessidades dos colaboradores.

Caso pretenda oferecer benefícios como plano de saúde ou seguro de vida, é importante negociar com diferentes fornecedores para obter as melhores condições e preços.

5. Monitorar e avaliar os resultados

Por fim, você deve monitorar os resultados da gestão de benefícios para verificar se os objetivos estão sendo atingidos e se os colaboradores estão, de fato, satisfeitos.

Como funciona a gestão de benefícios em uma startup?

As startups, por serem empresas em fase de crescimento, costumam lidar com orçamentos limitados, principalmente nas fases de ideação, validação e tração.

Isso não significa, no entanto, que essas empresas não possam oferecer benefícios atrativos aos seus colaboradores.

Nesse caso, a criatividade e a flexibilidade são fundamentais.

Você pode oferecer vantagens inovadoras e personalizadas, como horários flexíveis, home office, programas de desenvolvimento profissional e até participação societária aos talentos-chave.

Uma vez implementada a política de benefícios, a gestão pode ser otimizada usando estratégias, como:

  • Automatização de processos por meio de ferramentas de RH e softwares específicos
  • Centralização de informações em plataformas, aplicativos internos ou dashboards acessíveis aos colaboradores
  • Capacitação da equipe de RH para lidar com questões operacionais da gestão de benefícios  
  • Revisões periódicas para verificar se os benefícios estão sendo utilizados adequadamente.

Vale ressaltar que a otimização contínua é fundamental para garantir que a gestão de benefícios seja eficaz e atenda às necessidades da equipe.

Caso perceba que determinado item do pacote não está surtindo os efeitos desejados, não hesite em substituí-lo.

Qual o papel do RH na gestão de benefícios?

O departamento de Recursos Humanos é o principal responsável pela gestão de benefícios, tanto do ponto de vista estratégico quanto tático e operacional. 

Dentre suas funções, destaca-se a definição da estratégia de benefícios, o mapeamento das necessidades dos colaboradores, a negociação com fornecedores, dentre outras.

O RH também pode desenvolver programas de educação financeira, coletar feedback dos líderes de equipe, contribuindo, em última análise, com o sucesso da empresa.

São muitas funções, mas a boa notícia é que você pode contar com parceiros especialistas nessa empreitada por meio do BPO de RH.

Aqui na Comece, principal hub de soluções do Brasil para startups e outras empresas digitais, assumimos todas as demandas operacionais do seu RH para você focar no que realmente importa.

Clique aqui e descubra como podemos ajudar o seu RH a ser muito mais eficiente!

Deixe uma resposta