Como escolher o modelo de receita ideal e gerar lucro em startups?

modelo de receita0
Blog > Financeiro > Como escolher o modelo de receita ideal e gerar lucro em startups?

O modelo de receita diz muito sobre a capacidade de uma startup de ser ou não escalável, um dos principais atributos do empreendedorismo inovador.

Afinal, a fonte de recursos faz parte da estrutura de negócio como uma espinha dorsal, por meio da qual a empresa constitui seu faturamento

Quer saber quais são os principais modelos de receita e como escolher o mais adequado à sua startup?

Então, siga a leitura.

O que é modelo de receita?

Modelo de receita é a maneira pela qual uma startup ganha dinheiro com a comercialização de seus produtos, serviços e soluções.

Deve fazer parte do desenvolvimento da ideia de negócio desde a fase de ideação, quando os planos ainda estão sendo elaborados. 

Como empreendedor, você deve responder de bate-pronto e sem rodeios como monetizar seu produto ou serviço, caso alguém pergunte.

O termo costuma ser confundido com outros conceitos do universo startup, como modelo de negócio ou fluxo de receita, mas há algumas diferenças, como vemos abaixo:

  • Modelo de receita: diz respeito à maneira como a startup pretende cobrar pelas soluções oferecidas
  • Modelo de negócio: é um conceito abrangente que engloba, além do modelo de receita, a descrição de como a startup pretende criar e entregar valor ao cliente
  • Fluxo de receita: reúne as fontes de receita da organização, tanto as operacionais quanto as não-operacionais. 

Historicamente, os modelos de receita são aperfeiçoados acompanhando o surgimento de novos tipos de negócio, impulsionados, em grande medida, pela transformação digital.

Um infoproduto, por exemplo, pode ser vendido infinitas vezes, do mesmo modo que uma solução SaaS pode ser “alugada” ilimitadamente.

Se um projeto é tecnicamente viável, o empreendedor pode encontrar formas criativas de ganhar dinheiro com ele, transformando-o em um negócio altamente escalável.

Por que definir as fontes de receita?

A definição do modelo de receita deve fazer parte das premissas básicas de um plano de negócios, com uma previsão factível de como os recursos chegarão ao caixa

Alguns modelos são mais diretos e simples, outros são mais complexos e com a participação de intermediários.

O fato é: não dá para seguir adiante em uma ideia de negócio, por mais promissora que pareça ser, sem ter uma noção clara de como ganhar dinheiro com ela. 

Não por acaso, a receita é o primeiro item que aparece em uma Demonstração de Resultado de Exercício (DRE), relatório que resume os fatos econômicos de um período. 

A partir dela, deduz-se os custos e despesas até chegar ao lucro líquido, que aparece na última linha da demonstração.

Devido à natureza do negócio, as startups consomem muito caixa até alcançarem o break even-point e a fase de tração

Caso você precise captar recursos para sustentar o projeto durante a fase embrionária, por exemplo, precisará convencer os investidores de que seu modelo de receita faz sentido.

7 modelos de receita para startups

A seguir, listamos alguns modelos de receita usados por diferentes tipos de negócios que podem ser adotados também pelas startups:

1. Vendas diretas

A venda direta é um modelo de receita tradicional, em que não há estabelecimento comercial fixo ou intermediário entre o produtor e o cliente.

Startups que atuam em alguns setores específicos, como as agrotechs, estão criando soluções para eliminar intermediários entre o produtor e o consumidor final.

2. On demand

A receita proveniente de serviços sob demanda também não é uma novidade, mas se aplica bem às empresas de tecnologia, sobretudo às que oferecem soluções digitais.

O serviço de transporte individual de passageiros, como Uber, ou o aluguel por temporadas em plataformas como Airbnb, são exemplos de modelo de receita on demand.

Uma startup pode oferecer seu serviço ou produto sob demanda ou aprimorar os métodos usados por empresas de outros segmentos, por exemplo.

3. Afiliados

O modelo de receita por afiliados é uma evolução de uma estratégia comum no varejo: vendas por comissão. 

A diferença é que, no ambiente digital, os afiliados divulgam os produtos e serviços de outras pessoas e recebem comissão sempre que a divulgação se converte em venda. 

Os produtos comercializados por esse modelo de receita podem ser digitais, como cursos online e e-books, ou mesmo produtos físicos.

4. Licenciamento

O licenciamento é um modelo de receita adotado por algumas empresas renomadas, como Shutterstock e Microsoft.

Diferentemente do modelo SaaS (Software como Serviço), em que o cliente paga pelo tempo que usar, no licenciamento, o produto/serviço pertence ao cliente de fato.

5. Assinatura

A assinatura é um modelo de receita recorrente, em que o cliente paga um valor fixo mensal, semestral ou anual e tem acesso a um pacote de serviços ou produtos.

Pode ser aplicado a diferentes modelos de negócio, desde os serviços digitais, como streaming de música e vídeo, a itens físicos e personalizados, como vinhos e livros.

6. Freemium

O modelo de receita freemium consiste em liberar gratuitamente uma versão simplificada e limitada de determinado serviço ou produto como forma de despertar o interesse do cliente.

Quando o usuário se acostuma com a solução e quer destravar todas as funcionalidades, precisa pagar pelos recursos premiums adicionais.

7. Advertising

Comuns nos grandes veículos de comunicação, o modelo de receita advertising (propaganda) se popularizou com o surgimento de blogs especializados e canais no Youtube.

Muitos dos conteúdos gratuitos que acessamos na internet, produzidos democraticamente pelos mais diferentes autores, são monetizados por meio do advertising.

Trata-se de uma estratégia que exige esforço e muita dedicação, afinal, é preciso conquistar uma grande audiência e um volume significativo de tráfego para alcançar uma receita relevante.

Como você pode ver, há diversos modelos de receitas e a escolha mais adequada para a sua startup deve considerar diferentes aspectos, como escalabilidade, tipo de solução e estratégias de marketing.

Seja qual for a sua escolha, você precisará gerir com eficiência as receitas de sua startup para crescer de maneira organizada e sustentável.

Nós sabemos que lidar com rotinas burocráticas da contabilidade é uma tarefa que exige dedicação e tempo, mas isso é algo com o qual você não precisa se preocupar se tiver o parceiro certo, como a Comece com o Pé Direito.

Somos o principal player de contabilidade especializado em empresas do ecossistema da inovação do Brasil.

Assumimos todas as demandas contábeis, fiscais, trabalhistas e financeiras de sua startup para que você tenha condições de focar no que realmente importa.

Se isso lhe interessa, clique aqui e saiba mais!

Leave a Reply