Venture capital pós-pandemia: como preparar sua startup para captar investimentos

O venture capital depois da crise reserva novos desafios para as startups que pretendem captar investimentos e continuar acelerando seu crescimento.

 

Mas, como em qualquer cenário pós-crise, também há grandes oportunidades à vista.

 

Para começar, teremos uma rápida transição para um mundo online, onde os negócios inovadores têm mais potencial de escalabilidade, e os investidores de risco estarão ansiosos para diversificar seu portfólio com startups promissoras.

 

Para ajudar você a se preparar para esse cenário, temos dicas importantes sobre o venture capital depois da crise e as novas exigências para startups. Vá lendo e se preparando para a nova realidade. 

 

Como fica o venture capital depois da crise

 

O venture capital pós-crise será diferente do que o conhecemos e terá seus novos desafios e oportunidades — como todas as áreas e processos da economia. 

 

Quando o coronavírus atingiu o mundo e paralisou as empresas, muitas startups temeram por sua sobrevivência, mas a boa notícia é que um novo mercado já está se formando no horizonte.

 

De acordo com uma pesquisa da Atlantico Partners publicada em junho de 2020 na InfoMoney, 46% das startups globais pesquisadas cancelaram seu round de investimento ou tiveram desistências de investidores em março de 2020.

 

Por outro lado, o cenário parece mais otimista no Brasil: segundo o estudo Venture Capital Brasil, publicado em maio de 2020 na Startupi, os investimentos em startups brasileiras cresceram 20% no primeiro quadrimestre de 2020 em relação ao mesmo período do ano anterior, totalizando US$ 144 milhões injetados.

 

Claro que a crise do coronavírus teve seu impacto nas startups, reduziu o faturamento e deixou alguns investidores receosos, mas também trouxe novas perspectivas para o capital de risco em uma economia digitalizada. 

 

A explicação é simples: com a digitalização acelerada de produtos, serviços e do próprio trabalho, as startups e scale-ups se tornam promissoras para o mercado depois da crise — e, consequentemente, mais atrativas para os investidores com visão de longo prazo.

 

Além disso, o cenário dos juros baixos contribui com a busca pela renda variável e capital de risco como estratégia para diversificar o portfólio, já que a renda fixa não traz mais os retornos de antigamente. 

 

Principais mudanças do venture capital depois da crise

 

O venture capital depois da crise será marcado pela contestação do modelo atual de financiamento e gestão das startups. 

 

Você conhece a dinâmica: a startup valida o problema, depois o produto, então o modelo de negócio e seus canais de distribuição, e vai fazendo suas rodadas de investimentos para sustentar o crescimento ao longo do caminho, já que o capital próprio não é suficiente.

 

O problema é que muitas startups passaram a focar mais no crescimento rápido a todo custo e menos na sustentabilidade e solidez do negócio, como observou o cofundador da Cap Table (plataforma de investimentos em startups), Guilherme Enck, em live especial no nosso canal no YouTube, que gravamos em maio de 2020. 

 

Como resultado, há exemplos de startups que começam a captar investimentos antes mesmo de consolidar sua operação e gerar caixa suficiente — o que pode comprometer o retorno dos investidores.

 

Por isso, a tendência é que esse modelo de crescimento seja revisto no venture capital depois da crise, priorizando startups que focam mais na solução e crescimento sustentável.

 

Nas palavras de Enck, será preciso superar o “paradigma da liquidez” que multiplica os aportes em startups sem se preocupar com a gestão dos recursos e metas de longo prazo.

 

Da parte dos investidores, é provável que a estratégia “spray and pray” — a prática de pulverizar investimentos para várias startups e rezar para que uma se torne um unicórnio —  fique para trás e dê lugar a investimentos mais conscientes. 

 

4 dicas para manter a startup atraente para o venture capital depois da crise

 

Se você quer manter sua startup atrativa para o venture capital depois da crise, é melhor se preparar desde já.

 

Confira algumas dicas para encarar essa nova realidade.

 

1. Tenha um negócio escalável

 

No pós-pandemia, os investidores de risco estarão de olho em negócios verdadeiramente escaláveis — ou seja, com alto potencial de crescimento, modelo de negócio repetível e base tecnológica para crescer sem multiplicar custos.

 

Lembrando que a transformação digital estará em um novo patamar, abrindo espaço para empresas de tecnologia com alta capacidade de automação e padronização. 

 

2. Garanta a geração de caixa

 

Mesmo com uma meta de crescimento ambiciosa, a startup deve estar funcionando e gerando caixa para suprir suas necessidades no presente. 

 

Esse será um critério cada vez mais comum no venture capital pós-pandemia, que olhará para a capacidade da startup de crescer de forma sustentável e construir uma base sólida. 

 

3. Invista na gestão estratégica

 

A qualidade da gestão também será um critério decisivo no venture capital pós-pandemia, pois os investidores estarão mais preocupados com o planejamento estratégico do negócio.

 

Além de ter um bom plano de negócio, governança corporativa e boas práticas de gestão, é importante transmitir credibilidade ao investidor e ter sócios e acionistas comprometidos com o futuro da startup.

 

4. Aposte no crowdfunding

 

O crowdfunding — ou IPO de pequenas empresas, na prática — será o caminho para as startups atraírem mais capital de risco no pós-pandemia. 

 

Para isso, você precisa estar pronto para enfrentar a pressão pelas entregas e se tornar uma opção vantajosa para investidores que querem diversificar seu portfólio.

 

Conte com a Comece com o Pé Direito depois da crise

 

O mercado depois da crise estará repleto de oportunidades para as startups e scale-ups, e a Comece com o Pé Direito pode ajudar você a aproveitá-las. 

 

Nossas soluções de contabilidade e gestão financeira para startups são adaptadas para o seu modelo de negócio e podem fazer toda a diferença na captação de investimentos.

 

Entre nossos serviços, está a geração de relatórios e análises econômico-financeiras completas para apresentar aos seus potenciais investidores e sócios — lembrando que os investidores e fundos vão se preocupar mais com a saúde financeira do negócio daqui para frente.

 

Então, já sabe: pode contar com a gente para tornar sua startup irresistível no venture capital pós-crise — é só chamar nossa equipe.