Startups jurídicas: como a contabilidade ajuda no crescimento?

startups jurídicas0
Blog > Empreendedorismo > Startups jurídicas: como a contabilidade ajuda no crescimento?

As startups jurídicas chegaram para revolucionar a rotina dos escritórios de advocacia e departamentos jurídicos em todo o Brasil.

Chamadas de lawtech e legaltech, são empresas inovadoras dedicadas a identificar os principais gargalos do setor e propor soluções eficientes.

Conforme a Associação Brasileira de Lawtech e Legaltech, em apenas dois anos o número de startups jurídicas subiu de 20 para 50, demonstrando o potencial do setor.

Ao longo deste artigo, descubra como se preparar, inclusive do ponto de vista contábil, para escalar nesse segmento repleto de boas oportunidades.

O que são startups jurídicas?

Startups jurídicas são modelos de negócio focados em aprimorar os trâmites jurídicos, visando à eficiência dos processos, à otimização de rotinas e ao aumento da produtividade.

Tecnicamente, são divididas em duas classes:

  1. Lawtech: startups jurídicas que prestam serviços para o público em geral
  2. Legaltech: startups jurídicas que prestam serviços para os profissionais do Direito.

No Brasil, de acordo com a Associação Brasileira de Lawtech e Legaltech, essa diferenciação é apenas conceitual.

Na prática, ambos os tipos de startups podem prestar serviços tanto para os profissionais quanto para o consumidor final. 

Algumas, inclusive, cumprem as duas funções ao mesmo tempo.

Dentre os serviços oferecidos pelas startups jurídicas, podemos citar:

  • Controle de prazos de processos
  • Monitoramento automatizado e inteligente de informações
  • Mediação de conflitos
  • Advogados online
  • Automação e gestão de documentos.

Estima-se que o Brasil tenha cerca de 80 milhões de processos judiciais em tramitação, muitos impressos em papel e dispostos em pilhas e mais pilhas de documentos.

As startups jurídicas têm como objetivo atacar exatamente a morosidade desse processo, oferecendo soluções tecnológicas capazes de desburocratizar rotinas e melhorar a qualidade do trabalho.

Como as startups jurídicas funcionam

As startups jurídicas oferecem diversos tipos de serviços aos escritórios de advocacia, departamentos jurídicos e ao público em geral.

No âmbito da advocacia, as principais vantagens proporcionadas pelas lawtechs e legaltechs são a redução de custos para os advogados e o aumento da eficiência.

Por um lado, o advogado tem nas startups jurídicas um suporte tecnológico para oferecer mais serviços a seus clientes.

Por outro, os clientes têm acesso a soluções mais simplificadas e transparentes

Nesse universo, surge um novo conceito: a advocacia 4.0, em que advogados resolvem os problemas dos clientes sem a necessidade de documentos impressos e reuniões presenciais.

Conforme a seção “Radar” da associação das startups jurídicas brasileiras, as principais categorias de lawtechs e legaltechs são:

  • Gestão de escritórios e departamentos jurídicos: soluções tecnológicas de gestão, como gerenciamento de tarefas, cadastro de processos, contagem de prazos, etc.
  • Analytics e jurimetria: análise e processamento de dados jurídicos por meio de softwares avançados que ajudam na tomada de decisão
  • Monitoramento e extração de dados públicos: acompanhamento ágil de publicações jurídicas, andamento de processos, documentos de cartório e mudanças na legislação 
  • Resolução de conflitos online: mediação, arbitragem e acordos online como alternativas ao litígio.

Há, também, startups jurídicas que atuam em outras categorias, como real state tech, redes de profissionais, compliance, civic tech, dentre outras.

Exemplos de startups na área jurídica

Diversas startups jurídicas têm se destacado ao oferecer soluções inovadoras no âmbito do Direito

A seguir, confira alguns exemplos:

Advogado Online

A startup jurídica Advogado Online permite consultar advogados e mover processos judiciais de forma totalmente digital, do primeiro contato à conclusão do caso. 

SigaLei

Por meio de um radar inteligente, a SigaLei monitora proposições parlamentares, normas regulatórias e atualizações legislativas nas esferas federal, estadual e municipal.

A startup notifica os usuários em tempo real e gera relatórios e insights analíticos sobre diferentes tipos de mudanças.

Contraktor

Focada na elaboração de contratos, a startup oferece um editor online com preenchimento dinâmico e automático de vários campos. 

A plataforma permite ainda o compartilhamento do contrato com outras partes envolvidas, assinatura digital e registro de quem, de fato, abriu e leu o documento.

M4LAW

O propósito da M4LAW é facilitar a gestão de documentos, substituindo as pilhas de papel por arquivos digitais, proporcionando mais eficiência ao dia a dia jurídico.

Previdenciarista

Criada por dois advogados, a startup Previdenciarista calcula automaticamente os benefícios aos quais o cliente tem direito.

Para isso, basta inserir no sistema os dados do CNIS (Cadastro Nacional de Informações Sociais) do beneficiário.

O sistema ainda apresenta as melhores petições relacionadas ao caso.

3 desafios comuns a startups jurídicas

Embora promissor, o mercado de startups jurídicas também tem obstáculos a serem superados, como os listados a seguir.

1. Resistência cultural do setor

Se você pretende criar uma startup jurídica, saiba que será preciso romper uma barreira cultural importante.

Muitos profissionais são tradicionalmente resistentes a mudanças, principalmente relacionadas à tecnologia. 

A pandemia forçou a quebra de alguns paradigmas, mas ainda assim a resistência cultural é um desafio. 

2. Limitação legal

A atuação das startups jurídicas também tem limitações legais. Algumas funções dentro dos escritórios de advocacia só podem ser executadas por advogados.

O Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil determina que somente o advogado pode postular junto aos órgãos do Judiciário e prestar assessoria ou consultoria jurídica.

3. Organização contábil

Outro desafio para as startups jurídicas, bem como para outras empresas de base tecnológica, é a organização contábil. 

Muitos negócios embrionários nascem e morrem por falta de atenção aos números ou por insuficiência de mão de obra para cuidar dos processos internos.

Entretanto, para oferecer serviços de qualidade, crescer e escalar, é preciso manter a casa em ordem, inclusive do ponto de vista contábil.

Como a contabilidade pode ajudar as startups jurídicas

Nenhum negócio, nem mesmo as startups jurídicas, nascem e crescem sem uma contabilidade eficiente e organizada. 

Não por acaso, a contabilidade é considerada a linguagem dos negócios. 

Nesse aspecto, empresas escaláveis, imersas em mercados que podem mudar repentinamente, precisam de uma contabilidade tão dinâmica quanto. 

Assim como as startups jurídicas nasceram para aperfeiçoar o cotidiano dos escritórios de advocacia, a Comece com o Pé Direito existe para dar fluidez às rotinas contábeis das startups.

Oferecemos serviços de BPO Financeiro, abertura de empresas, Business Intelligence, Contabilidade Consultiva e muito mais.

Nosso objetivo é descomplicar os processos burocráticos para você ter tempo de prestar o melhor atendimento a seus clientes jurídicos. 

Quer saber mais? Então, agende um bate-papo com nossos especialistas e descubra.

Leave a Reply