Proptechs: como funcionam as startups do mercado imobiliário

proptechs0
Blog > Empreendedorismo > Proptechs: como funcionam as startups do mercado imobiliário

As proptechs chegaram para transformar o jeito de fazer negócios no mercado imobiliário, um setor importante para a geração de emprego e renda no país.

A partir de soluções tecnológicas inteligentes, comprar, vender, reformar e alugar um imóvel virou um processo mais rápido e desburocratizado.

Com as proptechs, é possível visitar um imóvel virtualmente, alugar pelo celular sem precisar de fiador ou comprar um apartamento sem sair de casa.

Nas próximas linhas, entenda como funcionam as startups do mercado imobiliário e como se preparar para aproveitar as melhores oportunidades.

O que são as proptechs?

Proptechs são startups que atuam especificamente no mercado imobiliário. 

O termo é a junção de duas palavras em inglês (property technology), cuja tradução literal pode ser “tecnologia de propriedade” ou “tecnologia imobiliária”.

Diferentemente das construtechs, startups focadas em prover tecnologia para a cadeia da construção civil, as proptechs abrangem a gestão de imóveis como um todo: compra, venda, locação, reforma, entre outros serviços.

De acordo com um estudo da plataforma Distrito, as proptechs se dividem nas seguintes categorias.

  • Portal de ofertas: venda e aluguel de imóveis, decoração, serviços de manutenção e limpeza
  • Gestão de reforma: serviços de pequenas reformas, arquitetura e urbanismo
  • Marketing: sistemas, aplicativos e CRM para imobiliárias e corretores que queiram melhorar seus canais de venda
  • Instant Buyers: redução de burocracia e aumento da fluidez nas negociações imobiliárias
  • Smart house: automação residencial por meio da internet das coisas (IoT)
  • Seguros e serviços financeiros: análise de crédito, linhas de financiamentos e outras soluções financeiras
  • Dados e precificação: transparência e assertividade na precificação de produtos e serviços partir da análise de dados e pesquisa automatizada
  • Gestão de propriedade: administração de condomínio, segurança remota, vistorias.

De acordo com um levantamento da ACE Cortex e da Terracotta Ventures, em 2021 o Brasil contava com 840 startups imobiliárias, incluindo as proptechs.

Como funciona uma proptech

O principal objetivo de uma proptech é oferecer soluções tecnológicas que atendam às necessidades do mercado imobiliário, tornando os processos mais práticos e eficientes.

O modelo de negócio pode ser construído sobre dois pilares principais:

  1. B2B (Business 2 Business): proptechs que se propõem a resolver os problemas internos das empresas do setor imobiliário, como construtoras, incorporadoras ou instituições de crédito
  2. B2C (Business 2 Consumer): startups que lidam diretamente com o cliente final, facilitando as negociações, principalmente em relação às exigências burocráticas.

Vimos que uma proptech tem abrangência maior do que uma construtech (startup focada no canteiro de obras). 

Como toda empresa do ecossistema startup, as proptechs buscam antecipar tendências e solucionar as dores do cliente, seja empresa ou pessoa física.

Um exemplo são as startups imobiliárias que se dedicam a oferecer soluções para o processo de locação e venda de imóveis.

Em várias cidades do Brasil, já é possível comprar ou alugar um imóvel sem fiador e sem sair de casa, graças à análise de dados e à inteligência artificial

Exemplos de proptechs brasileiras

O Brasil tem cases interessantes de proptechs, sobretudo as que oferecem plataformas de marketplace de imóveis.

A seguir, confira alguns exemplos:

QuintoAndar

Proptech de locação e compra de imóveis, o QuintoAndar superou US$ 5 bilhões em valor de mercado em agosto de 2021, após mais uma rodada de investimento. 

Em seu site oficial, a empresa se diz  “a maior imobiliária digital do Brasil”, com mais de 4 mil funcionários e R$ 80 bilhões em ativos sob gestão.

Para locar um imóvel, o inquilino faz tudo pela internet, sem a necessidade de sair de casa ou de contar com um fiador para garantir a operação

Do outro lado, o proprietário recebe o aluguel todo dia 12 e tem cobertura de danos de até R$ 50 mil.

Em São Paulo e no Rio de Janeiro, a empresa também atua na compra e venda de imóveis pelos mesmos moldes: tudo pelo app e sem burocracia. 

Housi

A Housi também é uma proptech de marketplace de imóveis, cujo propósito é oferecer moradia por assinatura a pessoas físicas em diversas cidades do país.

O serviço é contratado pelo aplicativo ou pelo site, durante o tempo que o cliente desejar: uma semana, um mês ou uma temporada de férias. 

Em 2020, a Vortx Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários lançou um Fundo de Investimento Imobiliário na B3 com unidades residenciais geridas pela Housi.

Inovações de empresas proptech no mercado

As proptechs têm desempenhado um papel importante ao propor soluções dinâmicas para os processos relacionados ao mercado imobiliário.

É algo parecido com o que as fintechs estão fazendo no mercado financeiro

Redução da burocracia

A redução da burocracia, tanto nas relações comerciais de venda e aluguel quanto na gestão de propriedades, é uma das principais frentes de atuação das proptechs. 

Para o cliente/inquilino, representa a possibilidade de resolver tudo de maneira remota e facilitada, sem precisar de papelada. 

Para o proprietário/vendedor, mais agilidade e transparência nas transações, reduzindo riscos e maximizando ganhos.

Aprimoramento de processos

Nos modelos de negócio B2B, em que os clientes das proptechs são empresas do ramo imobiliário, as soluções tecnológicas podem ser as mais diversas.

As inovações estão presentes na automação residencial, na análise de dados e precificação, nas plataformas de marketing ou na viabilização de serviços financeiros. 

Desafios de gestão em proptechs

O universo de atuação das proptechs é cheio de oportunidades, mas também de desafios. 

Os obstáculos são maiores principalmente nos estágios iniciais, em que o modelo de negócio ainda está sendo testado e os níveis de incertezas são maiores. 

Encontrar um investidor-anjo ou um fundo de capital semente é uma missão que exige preparo e determinação. 

Além de um pitch deck bem feito, a proptech precisa atentar-se à organização contábil e financeira e ao planejamento com objetivos claros para cada fase.

Outro desafio está relacionado ao cenário macroeconômico e aos fatores de influência, como taxas de juros, incentivos do governo, etc.

Dependendo da área de atuação da proptech, o gestor precisa observar em qual ciclo do mercado imobiliário vale a pena investir no projeto: expansão, boom, recessão ou recuperação. 

Soluções para o sucesso de proptechs

Para vencer os desafios e escalar sua proptech, você pode recorrer a diferentes soluções, como as seguintes:

Você precisará também de um parceiro especializado para ajudá-lo na organização das finanças, como a Comece com o Pé Direito.

Somos uma empresa contábil especialista em startups e scale-ups, dedicada a oferecer contabilidade consultiva, BPO financeiro, Business Intelligence e muito mais.

Nosso propósito é ajudar empreendedores na gestão de negócios inovadores, entregando assessoria contábil, fiscal, financeira e trabalhista.

Leave a Reply