Política de due diligence prepara startups para investidores

política de due diligence3
Blog > Financeiro > Política de due diligence prepara startups para investidores

Startups que têm uma política de due diligence bem definida saem na frente quando o assunto é captação de recursos.

Afinal, manter a casa em ordem facilita muito o trabalho de diligência do investidor, uma etapa burocrática e complexa, mas indispensável em um processo de investimento.

Ao longo deste post, descubra como conseguir ajuda para implantar uma política de due diligence eficiente e preparar sua startup para os investidores.

Política de due diligence: o que é?

Política de due diligence é um conjunto de regras e procedimentos que mantém uma startup em conformidade com as melhores práticas de gestão, seja do ponto de vista legal, contábil, tributário ou trabalhista.

Não se trata, portanto, de uma preocupação eventual.

A política de due diligence deve integrar a cultura organizacional da startup como parte das atribuições rotineiras.

A ideia é manter a casa sempre em ordem e facilitar as negociações em eventuais processos de captação de recursos.  

Comum em operações de fusões e aquisições, a due diligence tem como atribuição fazer um diagnóstico detalhado dos diferentes aspectos do negócio.

As informações relatadas pela diligência servem de base para a formatação dos termos da negociação (em casos de M&A, por exemplo), seja na negociação de preço ou na definição dos detalhes contratuais.

No caso das startups, o objetivo é o mesmo. 

Ao adotar a política de due diligence, introduzindo-a nas rotinas diárias, a empresa aumenta as chances de ganhar a confiança do investidor durante as etapas de capitalização.

Importância da política de due diligence em startups

A política de due diligence pode ser adotada por empresas de diferentes segmentos, mas é ainda mais importante para as startups. 

A menos que você adote a estratégia bootstrapping, precisará recorrer a fontes externas para colocar seu projeto de pé e alcançar o break-even point.

Você pode fazer isso de diferentes maneiras: recorrer a fundos venture capital, seed capital, crowdfunding, investidor-anjo, entre outros. 

Independentemente do caminho, precisará se submeter ao pente fino da política de due diligence. 

Sem a diligência prévia, uma startup não consegue nem se cadastrar em uma plataforma de investimento coletivo

Afinal, por mais que o investidor tenha gostado do pitch deck e esteja interessado em injetar dinheiro no negócio, não fará isso sem antes saber dos riscos e da expectativa de retorno.

Se você pretende recorrer a fontes de financiamento para escalar sua startup, portanto, esteja preparado para prestar as informações necessárias e aumentar suas chances de acessar os recursos.

Para realizar uma Due Diligence, nada melhor do que contar com quem entende do assunto. Veja aqui o Case da Captable, plataforma de investimentos da Startse, que conta com a parceria da Comece para fazer a avaliação das startups em sua plataforma:

Quais são as etapas do processo de due diligence

A due diligence é uma das etapas do processo de investimento em startups, principalmente quando o investidor se torna sócio do negócio.

Ou seja, quando ele fica com uma parte do negócio (quotas ou ações) em troca do aporte de capital.

A primeira etapa consiste na definição da estratégia, em que o investidor geralmente apresenta uma proposta inicial, conhecida como Term Sheet.

Em seguida, vem a fase da transação, na qual acontece a due diligence, responsável por prover os dados sobre o negócio.

Caso a startup esteja bem organizada e o investidor goste dos relatórios, a etapa seguinte é o investimento propriamente dito.

Caso contrário, as negociações são encerradas. 

As principais áreas contempladas por uma política de due diligence são:

Legal e tributária

Situação societária, contratos, obrigações a vencer, dentre outros aspectos legais e tributários, devem estar sempre em conformidade com a legislação.

Quanto mais informação atualizada e de acordo com os princípios das melhores práticas, mais fácil será um procedimento de due diligence em uma startup.

Contábil e financeira

A organização contábil-financeira também deve integrar a política de due diligence, se possível com a implantação de indicadores-chave de desempenho e Business Intelligence

Uma estratégia eficiente e prática de manter a contabilidade da startup sempre organizada é por meio do BPO financeiro.

Trabalhista

As questões trabalhistas também têm peso nos relatórios de due diligence, sobretudo quanto aos riscos de passivos decorrentes de processos na justiça.

Operacional e comercial

A equipe responsável por uma due diligence certamente vai dedicar bom tempo ao diagnóstico dos setores comercial e de operações da startup.

O objetivo é verificar se o negócio é escalável ou não, quais são os principais gargalos, os principais desafios e oportunidades, as projeções de receita e lucro, entre outros elementos. 

É importante que o relatório de um processo de due diligence seja imparcial e se atenha aos dados. 

A partir deles, as partes envolvidas (investidor e empreendedor) vão construir seus argumentos e contra-argumentos em torno da análise de precificação, cláusulas do contrato, etc.

Tenha uma política de due diligence e se prepare para os investidores

Além de ajudar você a gerir seu negócio com mais qualidade, uma política de due diligence deixará sua startup sempre apta a receber recursos para crescer e escalar

Captar recursos para um projeto de alto risco, como são as startups, é uma missão que exige preparo e persistência.

Não basta atrair a atenção do investidor com uma bela apresentação sobre um modelo de negócio promissor.

É preciso estar pronto para as fases posteriores ao pitch deck, como você pode conferir nas dicas deste vídeo em nosso canal no Youtube.

O processo de due diligence, em geral, é demorado devido à necessidade de análise minuciosa e detalhada.

Nos casos de empresas despreparadas, que não adotam a política de due diligence, essa fase pode demorar meses e, no final, a operação ainda ser descartada.

Empresas que introduzem a due diligence como parte da gestão facilitam o trabalho de diagnóstico, evitando perda de tempo ao oferecer informações de qualidade.

Se você precisa manter sua empresa organizada e em conformidade com as melhores práticas, mas não sabe por onde começar, Comece com o Pé Direito.

Oferecemos suporte operacional para o seu departamento pessoal e de RH, assumimos suas rotinas contábeis por meio do BPO financeiro e oferecemos Business Intelligence para você acompanhar a evolução do seu negócio de forma interativa e descomplicada. 

Receba uma assessoria inteligente com uma equipe que entende o cotidiano dos negócios inovadores e prepare-se para captar recursos e decolar!

Related Posts

Leave a Reply